Convidam-se todos os interessados a participar na cerimónia evocativa da memória do Investigador Coordenador Engenheiro Silvicultor Albino Alves Pereira de Carvalho, que terá lugar no Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (na ex-Estação Florestal Nacional), Quinta do Marquês, em Oeiras, no dia 3 de Dezembro de 2014.

Albino Alves Pereira de Carvalho foi um dos mais eminentes cientistas que se dedicaram à ciência e tecnologia dos produtos florestais, com um grande trabalho desenvolvido na área da caracterização de propriedades e do melhoramento tecnológico dos produtos da floresta, conhecimentos cuja aplicação prática contribuiu decisivamente para o desenvolvimento das empresas industriais dos sectores da fabricação de embalagem, das estruturas de madeira, da carpintaria e mobiliário e outras aplicações na construção civil, para além dos extrativos, cortiça, derivados e papel.

Estes sectores da economia portuguesa, constituindo a chamada fileira florestal, tiveram o seu período áureo nas décadas de 80 e 90 do século passado, tendo chegado a contribuir para com mais de 12% do PIB industrial e chegando a um peso nas exportações superior a 11%, sendo na altura considerado um dos sectores estratégicos de eleição nas conclusões finais do relatório Porter em 1994. O “cluster” produtos derivados da madeira e cortiça, foi um dos cinco eleitos como estratégicos para a economia portuguesa, a par do vinho, turismo, automóvel, calçado, e do têxtil.Neste trabalho Albino de Carvalho foi um dos colaboradores setoriais de relevo.

Albino Alves Pereira de Carvalho nasceu em Santa Marinha do Zêzere, Baião, em 1 de outubro de 1925, e faleceu em 10 de abril de 2008. Autor de uma vasta bibliografia, tanto em publicações em forma de livro como em artigos e comunicações em Congressos, destacando-se 79 publicação sobre a ciência e tecnologia da madeira e 16 publicações sobre ciência e tecnologia de matérias suberosas e mais 23 publicações de informação geral sobre a política florestal, caracterização e potencialidades da produção florestal, não só no continente mas também na Ilha da Madeira e nos Açores.

Iniciou a sua carreira científica na Direcção-Geral dos Serviços Florestais e Aquícolas, tendo-se tornado chefe do Departamento de Tecnologia Físico-Mecânica da ex-Estação de Experimentação Florestal, em Alcobaça, posteriormente integrado na ex-Estação Florestal Nacional, do ex-INIA, constituindo o Departamento de Tecnologia dos Produtos Florestais, sector de investigação presentemente integrado no INIAV (Instituto Nacional de Agricultura e Veterinária), atualmente situado em Oeiras.

Neste instituto em Oeiras existe uma área museológica com muitos protótipos de instrumentos de trabalho do Engº Albino de Carvalho, sendo agora o local da homenagem a que este convite faz referência. Albino de Carvalho foi colaborador do INII (Instituto Nacional de Investigação Industrial), que em 1979 juntando-se com o LFEN (Laboratório Física e Energia Nuclear), deu origem ao ex-LNETI. Das publicações editadas por aquele autor destacam-se cinco publicadas em nome do INII e duas em nome do LNETI (instituições que precederam o LNEG), e onde foi colaborador entre 1972 e 1982.